Notícias
Informações do que está acontecendo no mundo.

Ataques em escolas: como autoridades podem combater radicalização em redes sociais

0


Homem branco acende vela em frente a um muro de escola, há rosas no chão

Crédito, EPA

Legenda da foto,

Vigília foi organizada em frente a escola em São Paulo onde professora foi morta

Em um curto espaço de tempo em que dois ataques a unidades de ensino horrorizaram o país, inúmeras postagens cultuando os massacres e seus autores foram identificadas por usuários das redes sociais e reportadas pela imprensa.

A facilidade de encontrar esse conteúdo extremista em publicações abertas, o seu grande volume nas maiores plataformas e o longo tempo em que muitas delas ficam no ar, sem serem bloqueadas, levou muitos usuários a questionarem se alguém está investigando todo esse conteúdo. O que as autoridades estão fazendo para combater esse incentivo a ataques e essa radicalização?

Em um vídeo postado no Twitter em português na quarta-feira (05/04) com uma montagem glorificando cenas de ataques a escolas ao som de rock – que parece retratar os agressores como personagens de um filme de ação – um usuário marcou o perfil da Polícia Federal, outra pessoa avisou a página do ministro da Justiça, Flávio Dino, e outro chegou a marcar até o FBI, a agência de investigação dos Estados Unidos, que não atua no Brasil.

Em outro post parecido, no qual uma pessoa diz que “espera que coisas assim aconteçam com mais frequência”, uma usuária marcou um delegado de São Paulo, outra marca o perfil do BOPE, a tropa de choque da PM do Rio de Janeiro.

Link da BBC News | Brasil

Síntese
Author: Síntese

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.