Notícias
Informações do que está acontecendo no mundo.

Como erro da polícia libertou da prisão 138 suspeitos de integrarem o PCC

1


  • Leandro Machado
  • Da BBC News Brasil em São Paulo

Homem presos atrás do arame farpado

Crédito, Getty Images

Legenda da foto,

PCC é uma das três facções que controlam o crime organizado no Ceará

Quando a polícia entrou na casa, em 28 de dezembro de 2018, encontrou dois gramas de cocaína em uma mesa, duas balanças e comprovantes de depósitos bancários. Na sala estava James Machado Cordeiro, um microempresário conhecido como “Irmão Simpson” e que depois seria apontado pela investigação como um dos chefes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) no Ceará.

O celular do homem foi imediatamente apreendido. Depois, os policiais vasculharam os contatos e as mensagens que Simpson trocara em grupos de WhatsApp. O material encontrado no aparelho levaria a prisão do empreendedor e de outras 219 pessoas nos meses seguintes, todas sob acusação de pertencerem ao PCC, grupo criminosos que surgiu nos presídios de São Paulo e se espalhou pelo Brasil.

Mas, segundo a Justiça, os policiais da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) cometeram duas irregularidades que colocaram toda a operação em cheque: invadiram a casa de James Cordeiro sem mandado judicial e não tinham autorização da Justiça para acessar os dados de seu celular.

O resultado do “erro” só chegou em maio deste ano: toda a investigação, prisões e condenações foram anuladas pelo Tribunal de Justiça do Ceará (TJ-CE), levando à soltura do “Irmão Simpson” e mais 138 pessoas.

Link da BBC News | Brasil

Síntese
Author: Síntese

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.